A ‘profecia’ fatalista sobre a Venezuela feita por um jovem há mais de 80 anos

A ‘profecia’ fatalista sobre a Venezuela feita por um jovem há mais de 80 anos

Arturo Uslar PietriDireito de imagem
Getty Images

Image caption

Arturo Uslar Pietri foi um escritor prolífico que ganhou o Prêmio Príncipe das Astúrias de Letras

Ele tinha 30 anos e diante de seus grandes olhos claros havia um país que mudava dramaticamente.

Em 1936, Arturo Uslar Pietri tinha uma preocupação que parecia deixá-lo angustiado:

“Essa grande proporção de riqueza de origem destrutiva crescerá sem dúvidas no dia em que os impostos sobre a mineração se tornarem mais justos e mais remuneradores, até que eles se aproximem do sonho suicida de algumas pessoas ingênuas que veem o ideal da fazenda venezuelana pagando o valor total do imposto apenas com a renda dos poços, que deveria ser traduzido de maneira mais simples: tornar a Venezuela um país improdutivo e ocioso, um imenso parasita petrolífero, nadando em uma abundância momentânea, corrompida e condenada a uma catástrofe iminente e inevitável “.

Esse é um dos trechos do editorial que o intelectual venezuelano escreveu naquele ano com o título: “Semear o petróleo”.

Essa é uma frase que acompanhou várias gerações de venezuelanos.

As interpretações deste texto são diversas: para muitos, é simplesmente uma reflexão pessoal sobre o momento histórico do país, enquanto para outros vai mais longe.

“É uma profecia auto-cumprida”, disse em 2016 José Rafael Revenga, amigo de Uslar Pietri, estudioso de seu trabalho e filósofo venezuelano.

Antonio Ecarri, presidente da Fundação Casa Arturo Uslar Pietri, tem uma opinião semelhante e acrescenta:

“Mais do que uma profecia, ‘Semear o petróleo’ se tornou a grande tarefa inacabada dos venezuelanos”, disse ele à BBC News Mundo, serviço em língua espanhola da BBC.

“E isso lamentavelmente nos tem torna hoje o pior exemplo da região em termos de desenvolvimento econômico e pobreza”.

“A consciência nacional”

Arturo Uslar Pietri é um dos escritores mais brilhantes da literatura venezuelana.

Ele foi o autor de “Las lanzas coloradas”, “El camino de El Dorado”, “Oficio de difuntos”, “La isla de Robinson”, “De una a otra Venezuela”, entre outras obras.

Ele escreveu dezenas de ensaios, contos, poesias e peças de teatro. Foi um dos pioneiros do realismo mágico.

Ganhou vários prêmios literários, entre eles, o Príncipe de Astúrias das Letras e Rómulo Gallegos.

Direito de imagem
Cortesía: Fundación Casa Arturo Uslar Pietri

Image caption

Uslar Pietri é considerado um dos pioneiros do realismo mágico

Ele foi advogado, jornalista, filósofo, político, senador, ministro, mas talvez muitos venezuelanos se lembrem mais dele por seus programas de televisão, nos quais ensinava história. É considerado um dos intelectuais mais importantes da Venezuela no século 20.

Em 1958, durante o regime de fato de Marcos Pérez Jiménez, foi preso por assinar um “manifesto contra a ditadura” e em 1963 concorreu à Presidência, mas sem sucesso.

De fato, após sua morte em 2001, o obituário do jornal britânico The Guardian o lembrou como “possivelmente o melhor presidente que a Venezuela nunca teve”.

Direito de imagem
Getty Images

Image caption

Uslar Pietri foi detido pelas forças do general Marcos Pérez Jiménez (no centro), que governou a Venezuela entre 1948 e 1958

O autor desse artigo, Phil Gunson, o chamou de “o escritor que era a consciência nacional da Venezuela”.

Em 1997, Uslar Pietri disse:

“Se neste momento, por infeliz azar do destino, os preços do petróleo caíssem significativamente no mercado mundial, a Venezuela seria um caso para a Cruz Vermelha Internacional. Aqui eles teriam que distribuir sopas nas esquinas”.

O que ele quis dizer?

Quando Uslar Pietri escreveu o editorial publicado no jornal Ahora, a Venezuela estava passando de um país rural para um petrolífero.

“Uslar Pietri era mais uma voz entre um grupo de intelectuais que manifestou preocupação com os desafios do país que estava saindo (do regime autoritário) de Juan Vicente Gómez”, disse à BBC News Mundo Edgardo Mondolfi Gudat, vice-diretor da Academia Nacional de história da Venezuela.

Direito de imagem
Getty Images

Image caption

Uslar Pietri testemunhou a transição de uma Venezuela rural para uma Venezuela petrolífera

“Neste momento, o petróleo não tem um papel central na economia do país, é uma atividade periférica”.

O principal ponto deste editorial, reflete o historiador, é que ele revela “que os venezuelanos na época não sabiam o que era petróleo, não conheciam os alcances do petróleo ou suas possibilidades futuras, nem sua finitude ou infinitude como recurso”.

Uslar Pietri declarou em seus escritos que essa riqueza era “limitada” e que a renda do petróleo era transitória e que deveria ser investida em atividades não-petrolíferas:

“É urgente tirar proveito da riqueza transitória da atual economia destrutiva para criar as bases saudáveis, amplas e coordenadas dessa futura economia progressiva que será nosso verdadeiro ato de independência. É necessário extrair a maior receita dos poços para investir totalmente em ajuda, instalações e incentivos à agricultura, pecuária e indústrias nacionais.”

Profecia?

Quando o 80º aniversário do editorial foi comemorado, a Fundação Casa Arturo Uslar Pietri publicou uma entrevista com Revenga, na qual refletiu sobre como a abordagem acabou sendo uma “profecia auto-cumprida”:

“O cultivo não contava com as sementes e, quando disponíveis, eram muito escassas. Foram semeadas em terreno baldio infértil, sem fertilizantes, sem tratores ou peças de reposição e sem treinamento para agricultores ou agroindustriais. Quando tudo isso era resolvido, eram superadas as barreiras e obstáculos, então os créditos para plantar na agricultura, pecuária ou agronegócio acabaram parando fora do país”, afirmou.

Direito de imagem
Getty Images

Image caption

Torres de petróleo em Maracaibo. A data em que esta foto foi tirada é desconhecida

“O que estamos vendo na Venezuela é o fracasso da extração de petróleo porque o Estado monopolizou todas as atividades do povo, da iniciativa das pessoas e é por isso que estamos onde estamos agora. Isso não ocorreu apenas nos últimos 17 anos (desde a chegada do Chavismo em 1999), mas vem das últimas três décadas”, afirmou o analista.

“Semear o petróleo” tem sido uma ideia bem conhecida e repetida em diferentes contextos entre os venezuelanos de diferentes épocas e idades.

Mas para Luis Alberto Buttó, doutor em história, o que aconteceu com muitas grandes obras da literatura acontece com este editorial: “Muitas pessoas as citam, mas nunca as leram, não conhecem a profundidade de seu conteúdo”.

A frase se tornou “uma espécie de curinga repetida por gerações”, disse Buttó, que é coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Simón Bolívar (USB), em Caracas.

Além disso, nem todos na Venezuela concordam que isso é chamado de profecia.

“Os historiadores não lidam com esse tipo de vocabulário”, enfatiza Mondolfi Gudat.

Equivocado

Buttó, diretor do Centro Latino-Americano de Estudos de Segurança, considera que o editorial tinha um problema:

“A abordagem de Uslar estava fundamentalmente errada porque ele considerou que a economia baseada na exploração de recursos petrolíferos, que estava em pleno crescimento, era negativa, destrutiva porque sua base era a renda”, explica ele.

Direito de imagem
Getty Images

Image caption

Uslar Pietri ganhou vários prêmios, entre eles o Rómulo Gallego

O autor, diz ele, acreditava que os frutos dessa atividade deveriam ser investidos no desenvolvimento do setor agrícola.

“Enquanto o mundo marchava em direção à industrialização acelerada, o pensamento de Uslar permaneceu ancorado à economia rural”, diz o professor. Se tivéssemos desenvolvido o setor agrícola, teríamos dependido desse setor apenas e exclusivamente. Onde estava a diversificação da economia?”

Sim, foi semeado

“O petróleo foi semeado, mas não da maneira que Uslar Pietri apontou”, diz o historiador da USB.

“Foi semeado no desenvolvimento do povo, que foi um processo realizado pela elite que instituiu a democracia na Venezuela a partir de 1958.”

Líderes como Rómulo Betancourt, Rafael Leoni e Luis Beltrán Prieto Figueroa investiram essa receita do petróleo no “potencial dos venezuelanos como agentes criativos”.

Direito de imagem
Getty Images

Image caption

Rómulo Betancourt é considerado um dos pais da democracia venezuelana e estudou a questão do petróleo no país

Um exemplo foi a massificação da educação, não apenas primária e secundária, mas universitária.

“Quando a ditadura de Pérez Jiménez caiu em 1958 e a democracia foi estabelecida na Venezuela, metade da população era analfabeta. Duas décadas depois, a taxa de analfabetismo era muito baixa”, diz ele.

No mesmo período, o número de universidades aumentou de seis para mais de cem centros e institutos de ensino superior.

“Isso permitiu um processo de formação de uma classe média sólida e bem preparada que, ao empenhar seus esforços nas diferentes áreas produtivas do país, permitiu atingir importantes níveis de desenvolvimento”, explica o médico.

Saúde e infraestrutura

Graças aos investimentos no setor de saúde, a expectativa de vida dos venezuelanos mudou positivamente.

Além disso, o país viu os benefícios das obras de eletrificação e infraestrutura.

“Chegamos a ter rodovias e estradas que eram modelos na América Latina. Nenhum país da região tinha”.

Direito de imagem
Gamma-Rapho via Getty Images

Image caption

Parte das receitas do petróleo ajudou a realizar várias obras de infraestrutura e modernização em toda a Venezuela. Caracas era assim em 1978

“De fato, foi motivo de estudo para que engenheiros de outros países passassem a estudar como alcançamos aquilo”, reflete Buttó.

Além disso, os líderes que deram força à democracia na Venezuela ajudaram a fazer da PDVSA uma das empresas de petróleo mais importantes do planeta.

Para Mondolfi Gudat, o petróleo foi o grande motor da transformação nacional.

Fatalista

O vice-primeiro diretor da Academia Nacional de História diz que além do fato de Uslar Pietri “ter o olho para diagnosticar o problema do petróleo em 1936”, há algo que o faz discordar profundamente do pensador: sua atitude crítica em relação ao papel do petróleo na economia venezuelana.

“Ele sempre teve uma atitude fatalista demais em relação ao petróleo e suas possibilidades transformadoras”, diz ele.

Direito de imagem
Gamma-Keystone via Getty Images

Image caption

O editorial “Semear el petroleo” foi escrito na Venezuela em 1936. Esta foto é de 1937

“Essa tendência de Uslar de ver o petróleo como uma atividade que gera ócio e parasitismo e que levaria a sociedade a nadar em abundância momentânea e corrupta forma parte de seu discurso fatalista”, diz Mondolfi Gudat.

A reflexão de Buttó vai além:

“Não vejo qual possa ser a desgraça de um país por ter uma imensa riqueza de recursos que pode usar para seu próprio desenvolvimento”.

Se a indústria do petróleo se tornou a principal indústria do país, obviamente tinha que ser a principal fonte de receita tributária do país”, diz ele.

E esse processo não fez as pessoas pararem de trabalhar.

“As pessoas se prepararam e montaram seus próprios negócios e empreendimentos e isso contribuiu para o desenvolvimento do país”, diz ele.

Não se cumpriu

“Não vejo essa profecia que Uslar fez na época”, diz o professor.

“Afinal, as pessoas de um país serem produtivas não depende do recurso que elas têm, mas da consciência de seu papel na construção da nação.”

Direito de imagem
Getty Images

Image caption

Venezuela sofre com grave escassez de gasolina

“Se alguém disser que esta suposta profecia de Uslar se cumpriu, eu diria que não. O país avançou, cresceu, se desenvolveu”, explica Buttó.

Mas ele esclarece: “A diferença é que as elites em algum momento chegaram a governar o país e usaram mal esses recursos”.

Para o historiador, o processo de investir em capital humano parou “devido à vigência de ideologias ultrapassadas na mentalidade (daqueles que) nas últimas décadas governaram a Venezuela”.

“O fato de estarmos em condições deploráveis, como a que estamos passando atualmente, não é porque desenvolvemos uma grande indústria de petróleo ou pelo fato de nossa economia repousar na indústria de petroleira”, diz Buttó.

“Se deve precisamente ao processo de destruição, desmantelamento e atraso que a indústria do petróleo viveu nos últimos anos. Porque se estivéssemos nos níveis de produção e comercialização de petróleo em que deveríamos estar neste momento e se tivéssemos seguido o plano adequado de investimentos e fortalecimento da indústria, a história seria diferente”.

Fatores externos

Em um dos trechos do editorial, Uslar Pietri aponta:

“Atualmente, a riqueza pública venezuelana repousa, em mais de um terço, do aproveitamento destruidor de depósitos do subsolo, cuja vida não é limitada apenas por razões naturais, mas cuja produtividade depende inteiramente de fatores e vontades fora da economia nacional.”

Segundo Mondolfi, Uslar Pietri expressou preocupação com as oscilações que afetaram significativamente os principais produtos de exportação não petrolíferos da Venezuela, como o café ou cacau.

Direito de imagem
Getty Images

Image caption

Nos últimos anos, a produção de petróleo na Venezuela sofreu uma queda acentuada

“Ele expressa angústia sobre como se antecipar para evitar as incidências dessas flutuações (nos mercados internacionais), mas não está revelando nada de novo em relação a algo que é típico das commodities.”

Buttó a interpreta como uma preocupação baseada na dinâmica do negócio petroleiro da época: “Acredito que Uslar Pietri estava se referindo ao fato de que a indústria petrolífera venezuelana estava nas mãos de empresas estrangeiras e a única fonte de renda que a Venezuela obteve do negócio do petróleo foi baseada na cobrança de royalties (…) e nos impostos sobre a renda gerados pela venda desse óleo”.

Maldição

Em outro trecho, Uslar Pietri aponta: “Que, no lugar de o petróleo ser uma maldição que nos torne um povo parasita e inútil, seja a feliz conjuntura que nos permita com sua súbita riqueza acelerar e fortalecer a evolução produtiva do povo venezuelano em condições excepcionais”.

Buttó reflete: “Se eu concordasse com isso, negaria minha própria condição”.

Direito de imagem
Reuters

Image caption

A PDVSA, Petróleos da Venezuela, tornou-se uma das empresas mais importantes do mundo no campo da energia

“Me formei em instituições do Estado venezuelano, toda a minha vida profissional eu dediquei ao desenvolvimento do meu país. Nunca fui preguiçoso, nunca fui um explorador desses recursos.”

“E seria negar a condição de milhões de venezuelanos que colocaram nossos esforços e nosso trabalho em função do desenvolvimento nacional.”

Mondolfi Gudat ressalta: “Não compartilho essa visão da maldição do petróleo (…) porque acho que se o petróleo fez alguma coisa foi dar um significado absolutamente inesperado à dinâmica venezuelana e à melhoria não apenas das condições materiais da sociedade, mas o advento de outros agentes de poder que não os núcleos governantes “.

A dependência

Para Ecarri, Uslar Pietri queria, com seu editorial, alertar o país para não se tornar dependente da renda do petróleo e tirar proveito desses recursos e investi-los em outras áreas da economia.

“É um alerta no contexto do nascimento de um país petroleiro que mais tarde se tornaria o primeiro exportador de petróleo do mundo, com uma produção que atingiu quase 4 milhões de barris por dia”, ressalta.

Embora o presidente da Fundação Casa Arturo Uslar Pietri reconheça que grandes obras de infraestrutura foram realizadas graças à renda do petróleo, houve um efeito colateral:

Direito de imagem
Reuters

Image caption

Venezuela é o país com as maiores reservas de petróleo do mundo

“Infelizmente, o que foi feito com a indústria do petróleo foi fazer o estado crescer de forma abusiva, de maneira imensa, e isso fez com que toda a sociedade venezuelana dependesse dele e não o contrário.”

E, segundo Ecarri, isso foi algo que Uslar Pietri antecipou ao longo dos anos:

“Enquanto em seu editorial de 1936, ele apostava em dar força ao Estado porque era muito fraco, depois de 1958 ele alertou que o Estado não deveria crescer tanto e que não deveríamos ser absolutamente dependentes dele “.

“O que Uslar propôs com ‘semear o petróleo’ era usar a renda dele para construir uma economia sólida, com níveis sociais e econômicos adequados e tendo a educação como a grande bandeira”.

Um profundo pessimismo

Segundo Ecarri, a ideia de “semear” seria uma constante no pensamento e na obra de Uslar Pietri ao longo das décadas.

E o pessimismo também o acompanharia, como registrado na grande “Entrevista a Arturo Uslar Pietri: ajuste de cuentas” do ensaísta, poeta e historiador venezuelano Rafael Arráiz Lucca.

A conversa, publicada em Prodavinci em 2019, evoca uma série de encontros que o autor teve com Uslar Pietri durante 2000 e 2001.

Direito de imagem
Juan Barreto/Getty

Image caption

Uslar Pietri criticou a maneira como vários governos da Venezuela usaram as receitas do petróleo

Aos 94 anos, o intelectual foi implacável com a Venezuela:

“(…) Tornou-se um país subsidiado, um país rentista, aquela coisa horrível que é ser um país rentista. A Venezuela é um país que não vive de seu trabalho, vive da renda do petróleo, administrada pelo Estado, que caiu para o Estado como um presente do céu, e os venezuelanos não foram capazes de fazer o que eu disse há 60 anos e que me cansei de repetir sem que ninguém prestasse atenção em mim: temos que semear o petróleo.”

E ele insistiu que nenhum país da América Latina “foi subitamente inundado por uma riqueza gigantesca, equivalente a seis ou sete planos Marshall”, referindo-se ao plano de ajuda dos EUA à Europa para reconstrução após a Segunda Guerra Mundial.

“Estou muito angustiado com o que está acontecendo com este país. É um momento muito ruim, muito perigoso. Há muito dinheiro, muitíssimo dinheiro, e não há orientação”, disse Lucca a Arráiz.

“Eu não tenho esperanças.”

“Você precisa ver o que este país teria sido com essa montanha de recursos, se o governo tivesse um pouco de bom senso.”

  • Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Sr Administrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *