Em meio à guerra comercial, Bolsonaro terá encontro com Trump e Xi Jinping no G-20 do Japão

Em meio à guerra comercial, Bolsonaro terá encontro com Trump e Xi Jinping no G-20 do Japão

Donald Trump e Xi Jinping, em foto de 2017Direito de imagem
Reuters

Image caption

Donald Trump e Xi Jinping, em foto de 2017; Bolsonaro deve se reunir com ambos, separadamente, na cúpula em Osaka

A guerra comercial entre China e Estados Unidos deve dominar a agenda da G20, em Osaka, no Japão. E o presidente brasileiro Jair Bolsonaro deve se reunir com os dois protagonistas dessa disputa.

Ele terá uma terá uma reunião com o presidente Donald Trump, às 15h15 do dia 28 de junho e deve se reunir com o presidente chinês, Xi Jinping, no mesmo dia.

Segundo fontes do governo, Bolsonaro ainda está “tentando encontrar espaço na agenda” para acomodar o presidente chinês. O pedido de bilateral teria sido feito pelo governo da China.

Bolsonaro já embarcou para a cúpula, que reúne, entre sexta-feira e sábado, as 20 maiores economias do mundo.

A reunião com Xi Jinping havia sido inicialmente marcada para o dia 28 de junho às 11:10, mas os chineses pediram um novo horário e o governo brasileiro estaria tentando encontrar uma brecha entre reuniões e encontros bilaterais com outros líderes.

Desde que tomou posse, Bolsonaro tem se aproximado fortemente do governo Donald Trump e seus aliados, principalmente Israel.

A possibilidade de uma aliança automática com os Estados Unidos gerou preocupações entre chineses e a ala financeira do governo brasileiro, já que a China é a principal parceira comercial do Brasil- compra, por exemplo, 30% da nossa soja.

Direito de imagem
Reuters

Image caption

Bolsonaro participará, no Japão, de Cúpula do G20

O Brasil tem se beneficiado, a curto prazo, da disputa comercial entre americanos e chineses. Trump impôs uma série de aumentos nas tarifas de importação de produtos chineses e Xi Jinping retaliou, atingindo principalmente produtos agrícolas americanos.

Com a sobretaxa sobre alimentos produzidos nos EUA, o Brasil passou a vender mais para a China, principalmente soja. Em 2018, primeiro ano da guerra comercial, o superávit do lado brasileiro na guerra comercial com os chineses cresceu US$ 30 bilhões.

Mas, a longo prazo, economistas dizem que a guerra comercial pode afetar negativamente o mundo como um todo. Se China e EUA comprarem e venderem menos, por causa das medidas protecionistas, o volume de comércio a nível mundial se reduzirá, provocando uma desaceleração internacional do crescimento.

E onde o Brasil fica nessa disputa?

Embora esteja se tornando cada vez mais próximo de Trump, Bolsonaro ainda não se posicionou claramente sobre a guerra comercial.

Ou seja, pelo menos por enquanto, não tomou partido.

Mas, segundo analistas, é possível que Trump pressione o governo brasileiro a assumir posições mais claras. Uma possibilidade é que os americanos peçam, por exemplo, que o Brasil deixe de comprar tecnologia e equipamentos da gigante chinesa de comunicação Huawei, que está no centro da disputa comercial.

Com a alegação de que os produtos Huawei podem ser usados para espionagem pelo governo chinês, Trump impôs uma série de restrições para que a empresa opera em território americano e faça negócios com empresas americanas. Até o Google teve que cancelar serviços e aplicativos de smartphones Huawei.

Direito de imagem
EPA

Image caption

Discussões sobre guerra comercial entre EUA e China devem dominar a agenda do evento

O economista britânico Jim O’Neill, que criou o termo “Bric” há 20 anos num relatório para o banco Goldman Sachs, é explícito em opinar sobre que lado Brasil deveria escolher.

“Não é razoável que os Estados Unidos forcem os países a tomarem esse tipo de decisão estúpida. O mundo precisa acomodar tanto Estados Unidos quanto China”, disse em entrevista à BBC News Brasil.

“Mas, sob o aspecto econômico, se os países realmente tiverem que optar, muitos deles – e o Brasil também – seriam loucos se não escolhessem a China.”

Segundo dados do Observatório de Complexidade Econômica, ligado ao Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT), os chineses correspondiam em 2017 a 22% das exportações brasileiras (US$ 48 bilhões) e os americanos, 11% (US$ 25 bilhões).

Foco na Ásia

Bolsonaro terá agenda com outros líderes asiáticos: o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, o premiê de Cingapura, Lee Hsien Loong, e o premiê o Japão, Shinzo Abe.

Segundo economistas e especialistas em Relações Internacionais, a aproximação com nações asiáticas é estratégica para o Brasil, já que o mundo está próximo da chamada Era da Ásia, quando as economias dos países asiáticos somadas vão superar o Produto Interno Brito (PIB) de todo o resto do mundo.

Segundo relatório do banco britânico Standard Chartered Plc, sete das dez maiores economias do mundo serão asiáticas até 2030. E, já no ano que vem, a China poderá ultrapassar os Estados Unidos como maior economia do mundo, seguida pela Índia, segundo os cálculos instituição.

Já o jornal Financial Times prevê- a partir de cálculos feitos com dados do Fundo Monetário Internacional – que os chineses vão desbancar os americanos em 2023. Mas a publicação crava para o ano que vem, 2020, o momento em que as nações asiáticas representarão mais de metade do PIB mundial.

Após aproximação com Israel, reunião com Arábia Saudita

Bolsonaro também vai se reunir com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman.

No início do governo, a viagem do presidente a Israel e os planos (depois suspensos) de transferir a embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém geraram amplas críticas de países árabes, que são importantes parceiros comerciais do Brasil.

Em 2018, as trocas entre o Brasil e países de maioria islâmica somaram US$ 22,9 bilhões, segundo dados do Ministério da Indústria e Comércio Exterior (MDIC). A balança é favorável ao Brasil em US$ 8,8 bilhões. Ou seja, exportamos mais do que importamos.

Mas é olhando para setores específicos, principalmente a agropecuária, que o peso das relações comerciais com nações muçulmanas fica mais claro: elas recebem cerca de 70% de todas as exportações brasileiras de açúcar (somados o refinado e o bruto), 46% do milho em grãos, 37% da carne de frango e 27% da carne de boi, conforme dados levantados pela BBC News Brasil junto ao MDIC.

A reunião de Bolsonaro com o príncipe da Arábia Saudita pode ser um aceno do governo brasileiro no sentido de dizer que o Brasil dar valor à parceria com países árabes.

Reunião com a França e com secretário-geral da OCDE

Bolsonaro ainda vai ter duas reuniões cruciais para dois importantes pleitos brasileiros: o de fechar um acordo entre Mercosul e União Europeia e o de entrar para a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O presidente vai se reunir com o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, na sexta (28) às 8:50.

Entrar para esse seleto grupo integrado pelas mais ricas economias mundiais é um dos principais projetos do governo brasileiro. Fazer parte da OCDE funciona como uma espécie de selo de boas práticas comerciais e de desenvolvimento.

Um dos primeiros ganhos da nova relação do Brasil com os Estados Unidos foi conseguir apoio formal dos americanos para entrar na OCDE.

Mas o governo brasileiro ainda precisará convencer os outros membros do grupo, principalmente os europeus.

Direito de imagem
Reuters

Image caption

Bolsonaro ainda vai ter duas reuniões cruciais para dois importantes pleitos brasileiros: o de fechar um acordo entre Mercosul e União Europeia e o de entrar para a Organização pada a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (comandada por Angel Gurría, acima)

Para o diretor do grupo de estudos do G-20 da Universidade de Toronto, John Kirton, o Brasil terá que adotar um discurso “mais responsável” em relação ao combate às mudanças climáticas se quiser o aval da União Europeia.

“O Brasil quer entrar na OCDE e praticamente todos os países que integram o grupo, com exceção dos Estados Unidos, acreditam numa solução multilateral liderada pela ONU para controlar as mudanças climáticas”, destacou Kirton em entrevista à BBC News Brasil.

“Se o Brasil quer avançar no seu desejo de fazer parte da OCDE, vai ter que adotar uma posição mais respeitável sobre mudanças climáticas, o que Bolsonaro não tem feito até agora.”

Ainda na sexta (28), Bolsonaro se reúne com o presidente da França, Emmanuel Macron, com quem vai poder abordar tanto a questão da entrada na OCDE quanto o acordo de comércio que o Mercosul negocia com a União Europeia.

Aqui mais uma vez a postura cética do governo Bolsonaro quanto ao aquecimento global pode ser empecilho. A França é um dos membros da União Europeia que mais têm imposto restrições à assinatura do entendimento com o Mercosul.

O argumento do governo francês é justamente o de que o país não quer assinar acordos com nações que não estejam “comprometidas com o Acordo de Paris” de combate às mudanças climáticas.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Sr Administrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *